استمع إلى الهواء

قد نقول أن الهواء هو رسول الذكريات. مثل الجبال ومثل الحيوانات والنباتات الأخرى ، فإن البشر هم أنفسهم أماكن سكن في الهواء ، ومثلما يتغذون ويتأثرون بالهواء ، فإن أفعالهم وأفكارهم وقصصهم وذكرياتهم تؤثر على الهواء. 

© João de Sá  ©Nuno Preto (locução)

© Cláudia Cibrão

Título: Violência contra a mulher

Local: Igreja de Santa Cruz

Analu Carvalho

2021.

 

“Apropriei-me de palavras como amor, respeito, paixão, palavras que são normalmente utilizadas por casais para retratar os seus sentimentos, e atribui-lhes um novo significado nas minhas criações. Utilizei estas palavras porque o amor é muitas vezes utilizado como justificativa pelo agressor; o respeito é muitas vezes esquecido durante as agressões numa relação abusiva; e a paixão, às vezes intensa e explosiva, é por vezes assassina. Além dessas, utilizei a palavra lar, que durante uma pandemia se tornam o lugar diário de diversas mulheres que convivem num ambiente violento. Por último a palavra não,  sendo efetivamente o que se pretende trazer perante todas as formas de violência, assédio e abuso. O local escolhido, a Igreja de Santa Cruz, surgiu na busca de uma reflexão e recordação das juras e compromissos firmados perante Deus e que muitas vezes são esquecidos na convivência doméstica.” 

Título: A minha vida artística vale mais que a minha vida

Local: Edifício do Castelo; Rua Carlos Teixeira

Paradise Showman

2021.

 

“A minha arte é uma forma de expressar todas as histórias da minha vida, passando por diferentes períodos de tempo, cidades e aventuras. A minha arte está tão ligada à minha história que testemunhou muitos anos de trabalho humanitário, o amor pela natureza e pelas noites inspiradoras. Porém, não consigo encontrar trabalho, onde possa ajudar as pessoas. As pessoas não me vem enquanto artista, nem mesmo como uma pessoa que fez diferença na vida humana. A bandeira faz parte de um tríptico composto pela peça dos direitos humanos, que mostra ao mundo como a minha religião e cultura diz que todos os humanos são iguais; a peça das oliveiras, que mostra a ligação entre a Palestina e Portugal através da oliveira; e a bandeira, que dá inicio à nova história da minha vida em Portugal." 

Título: Eco Pac-Man 

Local: pela cidade

Gabriel Pereira, 7 anos

2021.

 

Com a missão de sensibilizar para a importância da reciclagem, inspirado na figura Pac-Man, Gabriel Pereira cria o Eco Pac-Man.

Pac-Man, tem origem durante um jantar de amigos a comer pizza, quando um deles pega numa fatia de pizza e se apercebem que a forma fazia lembrar uma boca aberta. A personagem Eco Pac-Man, é apropriada das cores da reciclagem e surge na cidade de Braga como um glutão de resíduos abandonados voluntariamente pelo ser humano. A pegada ecológica é expressiva da identidade da pessoa, do lugar e da cultura através dos seus diferentes estilos de vida e padrões de consumo. 

Boa viagem, e cuidado, anda por aí alguém esfomeado!

Título: SOU

Local: Praça da República (Arcada)

Sandra Ribeiro

2021.

 

A busca pela igualdade de género continua contemporânea em pleno ano de 2021.

SOU, apropria-se do nome próprio enquanto identidade, e convida a mulher à sua afirmação. 

Sou Sandra, Maria, Lia, Siss... Sou, existo, tenho valor. 

Em forma de baloiço, num regresso à infância, lugar onde começa a história de vida, assume a ideia de fragilidade e convida a  mulher a fazer a inscrição do seu nome, num banco de acrílico transparente.

No banco, já se encontram alguns nomes inscritos, que convida à sua leitura na projeção da sombra do lettering no chão. A sombra de mim, algo tão impalpável, imaterial e metamorfoseado pelo próprio movimento da luz e do balanço, mas que me representa.

Os nomes já inscritos não são aleatórios, são nomes de mulheres, elas próprias lutadoras pela igualdade de género e representativas de diferentes lugares e culturas.

 

E tu mulher, como te chamas?

Título: 

Local: Sé de Braga

Aaani Liba, Maliha Megha e Hugo Xavier

2021.

 

Texto em construção

Título:Cidade Inventada

Local: Largo de Santa Cruz (Oratório da Casa dos Coimbras) 

Adriana Xavier

2021.

Por meio da escuta e do diálogo com várias brasileiras que vivem e amam a cidade de Braga, realizei um percurso visual pela cidade. E como síntese da expressão do que ouvi, montei um pequeno texto em que prevalece o sentimento de que na cidade de Braga vivemos um "tempo mais duradouro", menos efêmero que se contrapõem a vivência temporal no Brasil e da experiência de estar em uma cidade sagrada, histórica e turística. 

As primeiras imagens representam essa tentativa de se deter nessa temporalidade acelerada - que se desgasta e enferruja. E segue para imagens expressivas do tempo desacelerado e da sensação de liberdade que muitas de nós vivencia em Braga. O meu projeto, portanto, é um vídeo curta (2´22"). Com edição de imagens em corte seco e narração da cantora mineira (Jaboticatubas/Brasil) Laura Mansueta que gentilmente colaborou.  O texto foi redigido em Português do Brasil com entonação do sotaque de Minas Gerais, minha terra natal.